Buscar

Guerra entre Rússia e Ucrânia coloca logística internacional em alerta

Conflito atinge área de importante rota de transporte, afetando um cenário que já vinha em desequilíbrio por causa da pandemia


Segmento que vem enfrentando problemas em escala global desde o início da pandemia de Covid-19, a logística internacional tem na guerra entre Rússia e Ucrânia mais um grande motivo de preocupação. A área de conflito abrange uma importante rota logística na Europa, responsável por boa parte das exportações mundiais de grãos.


O governo ucraniano já informou que os portos do país ficarão fechados até o final dos confrontos. E empresas exportadoras de grãos anunciaram a suspensão de atividades no país, por questões de segurança. Há relatos de navios de carga que foram atingidos por mísseis na região do Mar Negro.


Nesta semana, a Maersk, uma das principais operadoras de contêineres do mundo, informou que, diante da situação vem se preparando para cumprir as sanções impostas sobre a Rússia enquanto visa garantir a segurança de suas operações.


Em comunicado, o quinto divulgado pela empresa sobre suas operações em meio ao conflito, a Maersk informou que entre as medidas a serem adotadas, estão a suspensão de reservas e envio de contêineres para a Rússia, seja para operações marítimas, seja para operações no interior. Ao mesmo tempo, diz que avalia as melhores opções para clientes e entrega de cargas.


"Para a carga já na água, faremos o possível para entregá-la ao destino pretendido. Temos um foco nítido em proteger contêineres refrigerados e manter as operações da cadeia de frio o mais estável possível, pois as commodities incluem bens importantes, como mantimentos e produtos farmacêuticos", diz o comunicado da empresa.


A Maersk informa também que tem adotado medidas para garantir a segurança de seus funcionários e das apoio a suas famílias. "As solicitações normais serão tratadas como de costume, mas pedimos paciência, pois as equipes globais lidam com solicitações específicas de cada país", diz o informe.


Advogado especialista em litígios com ênfase em transporte marítimo, Larry Carvalho destaca, em artigo divulgado via internet, que a situação é de máxima cautela. Segundo ele, a extensão do conflito e sua possível escalada deve determinar os efeitos sobre o sistema logístico internacional.


No entanto, alguns efeitos já podem ser observado nesses primeiros dias de guerra entre Ucrânia e Rússia. Desvios de embarcações e suspensão de cargas para a região do Mar Negro estão entre essas consequências. Além de aumento dos preços dos combustíveis nos principais portos de abastecimentos, item que responde por algo entre 15% e 30% do custo do frete marítimo, a depender da rota.


"A ofensiva deixa navios que estavam carregando no país presos no conflito, retirando capacidade de transporte do mercado e obriga os importadores a procurar por outras fontes de suprimento, normalmente mais distantes", ressalta Carvalho.


No artigo, o advogado destaca que o sistema logístico já vinha em desequilíbrio. E a guerra entre a Rússia e a Ucrânia, além das ações de outros países, especialmente nas sanções em relação a Rússia, devem ter mais impacto no quadro já desbalanceado de demanda por transporte e oferta de navios.


Fonte: Globo Rural