Buscar

Urubatan Helou, Diretor Presidente da Braspress fala sobre o setor de transporte e logística


O Triângulo Mineiro, Uberlândia em particular, gozam de um dos maiores impulsos de desenvolvimento nas últimas décadas graças à sua posição rodoviária privilegiada no centro brasileiro. Como o senhor vê a importância do transporte de cargas e da logística como fatores desse progresso regional? A localização do Triângulo Mineiro no centro-oeste do País induziu o incremento da atividade econômica. Uberlândia sempre foi passagem para o norte do país, para Goiás e para o Mato Grosso e isso fez com que viajantes que iriam para essas regiões se hospedassem na cidade, fazendo de Uberlândia um polo de atividade econômica.


Isso não só trouxe um desenvolvimento logístico para a região, como também trouxe um desenvolvimento econômico. O desenvolvimento logístico é sempre a base de infraestrutura necessária para o desenvolvimento econômico e gerou no seio dos uberlandenses e triangulinos o empreendedorismo, que fez com que a região se destacasse como um grande polo de desenvolvimento no país.

É importante lembrarmos que uma das maiores manifestações de caminhoneiros no Brasil aconteceu exatamente em Uberlândia, na Ponte do Val, durante o governo Getúlio Vargas. Quando começou a faltar diesel e gasolina para a alimentação dos caminhões que partiam em direção a Goiás, Mato Grosso e ao norte do país, a Ponte do Val foi fechada e como arbitragem foi necessária a vinda do Presidente da República para que efetivamente os caminhoneiros pudessem voltar ao trabalho. Isso foi no começo da década de 1950 quando houve efetivamente uma grande movimentação.


Isso mostra a importância da região para o desenvolvimento econômico. O fechamento da Ponte do Val naquela ocasião significou o desabastecimento de todo o Mato Grosso, de todo o estado de Goiás e de todo o norte brasileiro. É uma prova inequívoca de que a localização de geográfica privilegiada de Uberlândia faz com que ela tenha sido a mola propulsora do desenvolvimento econômico, além de trazer ao empresariado regional um perfil de empreendedorismo sem precedentes para o país.


O transporte de cargas é, reconhecidamente, a mola mestra da distribuição de insumos e alimentos do país. No Triângulo Mineiro, o polo logístico regional no setor de cargas é um dos maiores de Minas Gerais. Como o senhor avalia este setor que está em constante crescimento? O crescimento do transporte rodoviário de cargas se dá através do crescimento da atividade econômica. O TRC é uma atividade primária da atividade econômica e depende fundamentalmente do seu crescimento. Se a atividade econômica vicejar, prosperar, o TRC acompanha esse desenvolvimento. Em alguns casos, inclusive, o TRC tem superado o desenvolvimento econômico. Algumas empresas de transporte, alguns operadores logísticos, trazem uma tecnologia embarcada superior aos embarcadores de cargas.

Portanto, não só em Uberlândia e em todo o Triângulo Mineiro, mas em todo o mundo, o desenvolvimento da atividade de distribuição do TRC se dá através do crescimento econômico e do fortalecimento econômico. De qualquer maneira, é importante salientar o fato de que o TRC sempre será o modal mais importante no processo de distribuição porque ele é o responsável pela primeira e pela última milha. Não se vai de ferrovia, não se vai de avião para fazer a última milha.


A importância da união do setor em benefício do bem comum. O SETTRIM – Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística do Triângulo Mineiro, vem exercendo um papel importante no sentido de agregar as empresas valorizando as empresas do setor. Para o senhor, qual a importância dessa união como forma de valorização do setor? O trabalho que o SETTRIM vem desenvolvendo no sentido de fazer com que haja uma maior relevância do TRC é papel fundamental de todas as entidades representativas de qualquer setor. Qualquer entidade de qualquer setor tem que trabalhar fortemente no sentido da valorização da sua atividade econômica. O SETTRIM, em particular, tem feito um trabalho notável nessa área e fazendo com que efetivamente a atividade de TRC seja reconhecida como uma atividade empresarial pujante, complexa e de grande tecnologia embarcada.


Portanto, o SETTRIM é um braço importante do sistema de representação do TRC.

Importante, também, salientar que não basta hoje que as entidades de classe possam fazer trabalho somente no desenvolvimento do seu próprio umbigo. É importante que as entidades de classe possam pensar em termos de Brasil. Precisamos lembrar que vivemos em um mundo mais hostil para a atividade econômica.


O empreendedorismo no Brasil hoje é fortemente penalizado pela insegurança jurídica, por uma consolidação de leis de trabalho ultrapassadas, temos grandes dificuldades institucionais no país e que precisam ser combatidas pelas entidades representativas de cada setor. Atualmente, precisamos olhar o TRC, e qualquer outro setor da atividade econômicas, como sendo multissetoriais que precisam pensar na agenda Brasil.


A Braspress está construindo em Uberlândia uma moderna sede da empresa. Obviamente, é uma prova incontestável de confiança na logística regional e crença em Uberlândia como polo no transporte de cargas e outras atividades afins. A inauguração deve acontecer ainda neste ano, pode citar números da obra? A Braspress iniciou as suas operações em Uberlândia bem no início da década de 1990. Por ter se tornado uma cidade pujante e de intensa atividade econômica, Uberlândia exigia que tivesse no seu portfólio de atendimento logístico uma empresa com a tecnologia embarcada e com a qualidade de operações que a Braspress emprega em seus serviços.

Estamos instalados na cidade há muitos anos e agora estamos construindo uma sede própria em um terreno de 40.000 m², com 8.000 m² de área construída e investimentos de aproximadamente 29 milhões de reais. Esse investimento é importante não só para a cidade, mas também para que possamos ter uma infraestrutura operacional melhor em Uberlândia e para atender com qualidade toda a região.

Em Uberaba também estamos fazendo a mesma coisa. Vamos construir um terminal em uma grande área que adquirimos também na BR-050 para abrigar as operações daquela região do Triângulo Mineiro. Portanto, o Triângulo Mineiro está recebendo da nossa Companhia investimento polpudos. Até o final deste ano nós vamos investir apenas em instalações no Triângulo Mineiro aproximadamente 60 milhões de reais.


Finalizando, a Braspress é uma das maiores empresas nacionais no setor de logística e transporte, dando exemplos de eficiência e gestão. Que lição ou orientação o senhor transmitiria aos seus colegas empresários de transporte de cargas do Triângulo Mineiro?

O TRC vem passando por uma grande mutação. Não apenas o transporte rodoviário de cargas, mas como toda a matriz de transportes vem passando por uma grande mutação no Brasil e no mundo. Manter o foco e estar sempre atento às mudanças é uma forma de não fazer com que as empresas sofram um processo de disrupção. É preciso aperfeiçoar os negócios no dia a dia com investimentos maciços em tecnologia, renovação de frota, treinamento e capacitação dos funcionários. Essas são colunas que efetivamente precisam estar difundidas dentro das empresas.


O investimento é constante! Tecnologia, basta uma estar pronta para que ela esteja desatualizada. Então, precisamos tomar muito cuidado para não haver uma grande disrupção do setor, pois essa disrupção poderá lesar muitos empresários.


Um comentário seu especial como filho dessa terra para fechar nossa conversa.

Saí de Uberlândia em 1969, mas Uberlândia jamais saiu de mim. Mantenho meus laços de amizades e laços familiares com a cidade e eu me considero um uberlandense que representa com grande envergadura a cidade de Uberlândia.


Uberlândia sempre teve grandes representantes no mundo do empreendedorismo. Tenho trabalhado no sentido de fazer com que a cidade jamais venha a se decepcionar comigo. Fiquei muito honrado ao receber o título de Cidadão Benemérito de Uberlândia e a Comenda Augusto César. Isso muito me dignificou e muito me honrou e creio que fez justiça, pois sou um grande propagador de Uberlândia fora da cidade.